Notícias

  • MIT: Inovação no Brasil passa por instituições “blindadas” e parcerias

    MIT: Inovação no Brasil passa por instituições “blindadas” e parcerias


    São Paulo — Para o cientista político Ben Ross Schneider, pesquisador do Industrial Performance Center do Massachussetts Institute of Technology (MIT), o cenário da inovação na economia brasileira é positivo, superior aos nossos vizinhos na América Latina, mas poderia ser muito melhor.

    Em um estudo feito pelo MIT a pedido do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Schneider listou seis estratégias necessárias para o colocar o Brasil na rota do desenvolvimento no século 21. Na lista, a integração com o mercado global, a parceria com as universidades e a “blindagem” das nossas instituições da influência política. Os resultados foram apresentados nesta quinta-feira, 16, durante o Fórum A Importância da Inovação na Economia Digital, promovido por VEJA e Exame com o apoio do Senai.

    Na avaliação de Schneider, as consequências danosas do presidencialismo de coalizão estão entre os principais entraves verificados em anos recentes para a inovação na economia brasileira. “Muitas vezes, os políticos chegam ao cargo sem experiência nas áreas e as escolhas passam por muitas mudanças, com pouca continuidade. Isso abre oportunidades para o rent seeking e a corrupção”, afirmou.

    O estudo do MIT apontou que os executivos apontados para áreas estratégias têm passagens médias de apenas um ano pelos cargos. “Um ano é muito pouco para um executivo fazer uma política de longo prazo”, argumenta o cientista político. A pesquisa foi reunida na obra Innovation in Brasil: Advancing Development in the 21st Century, ainda sem título em português e com lançamento no Brasil nesta quinta-feira, no Museu de Arte Moderna (MAM).


    Voltar para página anterior Data de Publicação: 17/05/2019